terça-feira, agosto 31

EXCITAÇÕES. É incrível como o tema do aborto, mais que qualquer outro, consegue despertar tanta falta de racionalismo e pragmatismo. Agora foi a história do barco. A maior parte das pessoas favoráveis à despenalização insiste em ignorar que perdeu um referendo e que a lei (bem como o sentido da mesma) está feita para condenar o aborto como um crime. É errada, hipócrita, repugnante? Pessoalmente não tenho dúvidas que sim. Mas foi aprovada pelo País em referendo e num referendo recente. Por isso, dizer que o ministro da Defesa fez «a maior afronta à democracia» por ter proibido a entrada do barco é completamente descabido. Para me convencer a mim, pessoalmente, nem precisavam de invocar leis marítimas. É mesmo a lei do aborto a única coisa que importa. Se é ilegal, é ilegal, não me venham com manhas de esperteza saloia para contornar resultados eleitorais. Isso sim é uma afronta à democracia.

4 comentários:

Carlos disse...

Completamente de acordo.
Apesar de pensar que a acostagem reduzia o folclore.

Anónimo disse...

Ser a favor do aborto é uma afronta à democracia? Pelo facto de se perder num referendo, não nos dá o direito de lutar por um direito que nos assiste?! Ora essa... Eu leio cada uma!
Helena
www.solistecia.blog-se.com.br

Anónimo disse...

Porque motivo é"hipócrita e repugnante" condenar o aborto?

nesse caso todo o Código Penal é hipócrita...

dada disse...

até que enfim alguém que faz sentido. se fosse possível o barco do aborto, depois poderíamos tb ter o barco da morte, o barco da droga, o barco do trágefo orgãos, o barco da pedofilia.